Entrevista Traduzida: Details Magazine Maio 2015 (Parte 2)

Entrevista retirada do site details.com. Tradução pelo site Tom Hardy Brasil.

Você viu os filmes Mad Max?
Eu sabia quem era Mad Max. Eu só sabia que era Mel Gibson, e eu sabia que era de couro. E eu sabia que ele tinha uma espingarda e ele tinha um Interceptor, e eu sabia que ele tinha um cachorro. Isso foi muito legal.

Você conversou sobre o papel com Mel?
Eu conheci Mel. Eu precisava conhecer Mel puramente do ponto de vista de um homem jovem. Eu quero tocar na base com o Max anterior e apenas dizer Olá. E está tudo bem? Porque eu estou fazendo Max, eu tenho que atender Max. É estranho. “Você é Mad Max. Eu sou Tommy Hardy, e eu estou interpretando ele.”

Como foi o encontro?
Ele estava entediado comigo. Ele disse: “Tudo bem, amigo, boa sorte com isso.” O abençoe. Fiz-lhe uma pulseira. E então nós conversamos por algumas horas sobre todos os tipos de coisas. Eu fui embora, e foi isso. E então ele ligou para o meu agente e disse: “Eu acho que você encontrou alguém que é mais louco do que eu.”

Eu li que Charlize Theron, sua co-star, estava com medo de você. Acha que a sua intensidade pode ser desagradável?
Possivelmente, mas eu não penso assim com Charlize. Eu não acho que era o caso. Porque Charlize é uma mulher intensa. Muito intensa, na verdade. Em um bom sentido. Quero dizer, olhe para ela em Monster – isso não é alguém andando no parque. Você não evoca esse tipo de autenticidade sem trazer uma enorme riqueza de talento artístico. Ela é uma atriz muito séria. Então, eu não vejo por que ela iria ser intimidada por mim ou de qualquer forma se sentir assustada. Acho que foi mais… besteira.

Como foi fazer Mad Max: Estrada da Fúria?
George Miller apresentou-nos com uma história em quadrinhos de 300 páginas com cada único frame do filme prolongado. Este é um homem que, se pudesse ter sido animatronics, teria sido mais fácil para ele. Se ele pudesse ter nos pintado e nós não termos que ter opiniões, teria sido muito mais fácil para o pobre rapaz. Porque este é um homem que pode ver. E nós tivemos que transformá-lo, mas ele tinha que comunicar o que ele queria. E ele tinha fotos, e os atores eram um bando de investigadores. Nós apenas perguntávamos o tempo todo. Queremos saber como agradar ou como contar uma história melhor ou, você sabe, “O que estou dizendo isso?” A motivação. E irritante para um gênio. O que ele criou é incrivelmente complicado, e ele articulou a orquestração colorida mais surpreendente da carnificina. É uma obra-prima. E que supera de longe qualquer medo de atuar, assumindo o papel de Mel. Mad Max é, tipo, o super-herói mais legal que um menino poderia ter. Porque não há nenhuma capa, não há nenhuma roupa de borracha. Não há nenhum vôo. Nada realmente machuca Batman ou Superman. Tudo machuca Mad Max. Lembre-se de Indiana Jones quando ele odiava cobras? Ele estava com medo. Esses tipos de heróis, eles me excitam, porque eles são pessoas comuns em circunstâncias extraordinárias. Eles são falíveis. E quando eles saltam, eles não tem certeza se eles vão chegar no outro lado. E então ele não pára. Quero dizer, Mad Max é realmente apenas um velho tentando ir para casa.

Este é o filme de maior orçamento que você teve que promover. Você não parecem gostar de fazer divulgação.
Estou desconfiado da imprensa. Eu visto meu coração em minha manga. Eu tenho que ter muito cuidado, porque em última análise, você está fazendo imprensa para promover filmes, não um sentimento próprio. Quem eu sou não faz diferença. Para citar Bane: “Ninguém se importava quem eu era até que eu coloquei a máscara.” Não importa de onde eu vim ou o que eu faço. Tudo que você precisa saber é que eu não cometi crimes, e eu não mato crianças. Na verdade, estou bastante seguro, e eu tenho uma família que me preocupa, e eu estou aberto, estou aberto a ter uma conversa sobre praticamente qualquer coisa no mundo, e eu quero ir até a loja e comprar meu leite, voltar, ser parte da raça humana. É isso aí. Eu só quero ser qualquer homem normal com a minha família. Sou Tommy. Eu realmente nunca deixarei de ser Tommy – eu espero. Eu ficaria um pouco chateado se isso mudasse. Você pode fazer o que você ama fazer e ainda não se transformar em…

Um babaca?
Sim, se eu sou um babaca, eu prefiro ser um babaca, apesar do fato de que eu sou uma celebridade. Eu não quero ser visto, você sabe? Eu gosto das sombras. Eu gosto de ir, fazer meu trabalho e desaparecer. Mas quando isso é como, “Você é responsável por fazê-lo,” eu sou como, “Eu acho que você escolheu a pessoa errada.” Eu só quero ser parte da equipe. Eu posso estar de frente para este esforço particular, mas não vale a pena olhar, para sair chorando. Que porra isso tem a ver com o preço do repolho?! Eu não sou um embaixador, eu não quero estar na capa da revista. Não porque eu não seja grato. Eu só não sinto que eu pertenço a isto.

Você tem algum arrependimento?
Sim e não. Quero dizer, em uma imagem grande, é claro que você tem arrependimentos, mas a realidade é que lamentações e arrependimentos são a pedra de toque do crescimento espiritual. Você é a soma de todas as suas experiências. Você não seria você, se você não tivesse arrependimentos. É como alguém dizendo “você opta por ser uma vara de aipo?” é tão lógico como dizer: “Você tem algum arrependimento?” Se você tivesse que voltar e acabar com seus arrependimentos e fazer as coisas melhores, você não seria quem você é hoje. Então, é como que dizer: “Se eu tivesse peitos, eu seria uma mulher.” Você pode muito bem dizer: “Você prefere ser um pau de aipo?” Porque você tem mais chance de se tornar uma mulher do que você tem de se livrar de seus arrependimentos.

Onde você aprendeu a atuar?
Você já viu esse filme Whiplash? Eu fui a uma escola como essa. Você sabe, uma escola de teatro muito semelhante a isso. E o cara que me treinou, eles basearam Hannibal Lecter nele. Sua busca era apenas de nos destruir. Ele queria que nós alcançássemos excelência, e eu acho que todos nós falhamos em impressioná-lo, para ser justo. Mas isso é de onde eu vim, e foi sempre atado com perigo, aquele lugar. Que sempre teve a atitude: Isto não é sobre o dinheiro ou fama, este é apenas sobre fazer o que diz na lata.

A lata?
Na tampa da caixa. Se você não fizer o que diz na lata, por que diabos estamos carregando você? Você é um desperdício de tempo. Você fundamentalmente não têm o conhecimento básico necessário para formular um simples parecer sobre este assunto. Você pode muito bem se foder.

De volta a sua escola. Parece intensa. Michael Fassbender também estava lá.
Mikey Fassbender, ele estava no terceiro ano, e ele era, tipo, a merda. E ele estava nesta cadeira de rodas, porque seu personagem está em uma cadeira de rodas. Nós tínhamos, algo como, meia hora para o almoço, uma meia hora para todos da escola almoçarem. Tínhamos este pequeno refeitório, cantina da Barbara, e Mikey segurva toda a fila porque ele não iria sair da porra da cadeira de rodas. Esse é o tipo de escola que eu fui. “Mikey, cara, fique de pé e peça o seu almoço para que possamos voltar para a escola, para que não seja jogado fora o final da semana.” E ele seria como, “Foda-se!” Foi incrível. Eu tenho um respeito louco por ele. Eu adoraria ir contra com ele no palco.

Como uma batalha real? Na verdade, eu queria falar com você sobre masculinidade.
Eu sou a última pessoa que você precisa perguntar sobre masculinidade. Eu sou tão masculino quanto uma berinjela.

Mas você já interpretou uma série de personagens durões.
Bem, ninguém gosta de assistir a filmes sobre caras sentimentais de qualquer maneira.

Que tipo de caras?
Caras sentimentais. Isso é realmente o cara mais duro de ser na vida real. Você sabe, você vê um cara durão ou um criminoso ou um sujeito excitante que está fazendo coisas em um filme que você gostaria de ter dito ou feito na vida real. Que, na vida real, provavelmente você seria preso, morto, ou apenas não levar a nada a não ser a maldade. É por isso que nos filmes, eles vivem. O herói semeia as sementes de sua própria destruição. E os que eu estou atraído, quando estou assistindo a um filme, são os como Tom Berenger em Platoon. Porra eu amo esse cara. Sujeiro horrendo. É como assistir a um gorila. Ou os animais selvagens. Perigoso. George Miller disse algo sobre carisma: “É a mistura de charme e perigo.” É constrangedor. Porque aqui está alguém que diz, o personagem de Berenger: “Eu estou fazendo isso do meu jeito, não importa a que custo.” E isso é profundo. Eu gostaria de poder fazer isso.

Então você não acha que você faria isso?
Não. Não. Você sabe onde isso acaba. O custo, certo? Esta é a vida real. Isso é cinema. Estou apavorado. Eu vou voltar para o medo. Eu preciso manter meus pés no chão. Isso não funciona se eles estão fora da terra e tudo é apenas fantasia. Você tem que ter um pé no simbólico, um pé na realidade, e um pé na fantasia. Fantasia, realidade, e o simbólico – três círculos. E todas aquelas coisas que são importantes para ter em sua vida, eu acho. Isso não funciona, caso contrário. Conhecer os seus pontos fortes, saber seus pontos fracos. E a coisa com a natureza constrangedora de violência e perigo é o que torna muito mais agradável vê-lo na tela do que estar na sala com essa pessoa. Veja, eu confio que eu não sou realmente essa pessoa. Então eu rio quando ouço sobre os mitos, e eu gosto bastante deles também.

É uma espécie de parecer legal.
É ótimo. Quando eu chego em um set e eu tenho um momento em que alguém faz suposições só por causa da minha aparência, eu estou feliz com isso. Isso me poupa de ter que dizer algo. Porque eu sei em meu coração quem eu sou. E eu sei que eu não quero dizer nenhuma ofensa. Você pode decidir se você confia em mim ou não, e o mais charmoso e honesto que eu seja sobre isso, por vezes, mais enervante pode ser para algumas pessoas. Eu já vi isso. Porque você pode corrigir alguém com um olhar fixo, e eles realmente não sabem se você foi legal ou não. É como espionagem – pessoas sorriem quando elas odeiam você. E é assim que o mundo é às vezes. É tudo verdade relativa. Então, para eles, eu faço o que faço, que é basicamente observar as pessoas e imitá-las e fazer um show e falar na tela. Isso é tudo que eu faço. Não é ciência de foguetes. É apenas camuflagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *