Em entrevista para o site flicks and bits, Tom fala sobre o filme “Os Infratores” e seu personagem no filme:

O que teve nesse personagem que atraiu você? Há algumas interessantes dicotomias nele, ele é temido e destemido, mas ao mesmo tempo há uma vulnerabilidade incrível nele quando está com Maggie (personagem de Jessica Chastain no filme)?
É. Eu pego personagens como eles vêm, personagens que me interessam, que tem alcance. E, também, uma diversidade de faixas e cores diferentes e características que são interessantes na busca de paradoxos e dicotomias do homem. Como: “Como alguém pode ser tão violento, mas, ao mesmo tempo, ser um garotinho?” Alguém inocente e ingênuo e tem um coração, mas então ele vai e faz alguma coisa que é tão incrivelmente horrível. E, no entanto, onde o fulcro está no meio, alguém que até o final do filme eu quero que o público tenha a capacidade de se importar com essa pessoa.

O elenco de “Os Infratores” é espetacular, como foi a experiência para você no filme?
Cada uma dessas pessoas e os artistas têm uma incrível sensibilidade, habilidade, talento e disciplina. Cada pessoa era obviamente diferente, e a combinação desse tipo de conjunto foi eletrizante e emocionante. Foi sem ego…. Quero dizer, não completamente sem ego, todos temos ego, porque você precisa dele para esculpir o seu caminho através de certas situações – é realmente imperativo que você tem. Mas todos distintamente abaixaram seu ego e era como, “OK, como podemos unir forças para criar algo que é claramente fabuloso?” (Risos). Você foi cercado por qualidade e humildade, e que soa muito clichê, por que era genuinamente um set de trabalho (risos).

E com John Hillcoat no comando, como é que ele ajuda a criatividade com a sua direção?
John Hillcoat, ele realmente estimula a criatividade e ao mesmo tempo ele tem uma estratégia natural para criar um lugar seguro, mas também um disciplinado quatro paredes de contenção, em que não somos apenas anárquica, sabe? Nós não estamos saindo dos trilhos -, onde nada é feito, mas estamos tentando balançar as cercas com o que temos. Era como o pão e a manteiga fazendo um filme como este. Foi um grande momento para treinar e nos exercitar no que fazemos, prática. O processo de trabalho em ‘Os Infratores’ foi um prazer.

Trabalhar com Gary Oldman em “O Espião que Sabia Demais”, “O Cavaleiro das Trevas Ressurge” e, agora, “Os Infratores”. Como tem sido essa experiência?
Em “O Espião que Sabia Demais”, primeira vez que trabalhei com Gary Oldman, eu tinha que assisti-lo porque tivemos que re-filmar… porque minha barba caiu enquanto eu estava falando (risos). Então tivemos que voltar e re-filmar toda a cena que eu tive com ele em “O Espião que Sabia Demais”. O que foi bom porque eu passei toda a minha experiência com Gary olhando para ele, e não retornando as falas, porque eu acho que ele é basicamente um Deus, sabe? A segunda vez, em “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, como Bane, eu meio que estava brincando de Deus, então eu meio que ignorei ele, chutei ele um pouco, esse tipo de coisa (risos). Mas Gary Oldman é um dos meus heróis, completamente. Eu não fiz nada, além do brilho dele.

Qual foi o processo de conseguir o sotaque de Forrest, que tipo de trabalho que você fez para isso? Ele tem um distintivo tranquilo rosnado em “Os Infratores”…
Eu só fiz dois tipos de sotaque americano realmente, e não são tão bons. Então, eu ainda estou um pouco nervoso sobre o sotaque americano. Mas este é tão específico, e uma cor tão forte que há um pouco mais trabalho de máscara a ser feito para mim. Portanto, é um pouco mais fácil se esconder atrás de um sotaque assim. Que não era necessariamente um sotaque, mas mais de uma personalidade e um personagem. Então, eu não sinto que eu estava fazendo… foi engraçado, parecia mais uma voz que veio de um centro de sotaque. E foi o mesmo com o ‘Guerreiro’, eu tinha um personagem muito semelhante. Então, eu não estava tão envolvido com o dialeto – assim que isso acontecer eu entro em pânico e… eu não sou australiano em ‘O Espião que Sabia Demais’ por uma razão. Não foi uma escolha (risos). Isso não é verdade, eu escolhi ser britânico (risos). Mas o meu trabalho no sotaque não é sempre incrível.

Fonte.



Submit A Comment

Comment: